Início Política

Marco Legal do Saneamento não deve ser votado às presas, diz Veneziano

O Projeto de Lei (PL) 4.162/2019, que trata sobre o Marco Legal do Saneamento Básico, está pautado para ser votado na próxima semana, mas Veneziano declarou, durante sessão remota do Senado, que não concorda com a votação do projeto com tão pouco tempo para o debate, e em meio virtual, por entender que o tema “é extremamente delicado e merece um debate mais aprofundado, pois terá repercussão muitos anos à frente”.

Leia também:

Logo após a sessão, em uma mensagem divulgada em suas redes sociais, Veneziano deixou claro que é defensor de mudanças e do aperfeiçoamento das legislações que tratam desse assunto, visto que ainda hoje existem milhões de brasileiros que não dispõem de água potável de qualidade nem esgotamento sanitário em suas residências. “Isto é fato constatado, principalmente nas regiões mais pobres como o Norte e o Nordeste”, afirmou o parlamentar paraibano.

No entanto, de acordo com o senador, a forma como o marco está sendo apresentado é prejudicial para a população, visto que o texto pode ser votado “sem o tempo necessário para que os parlamentarem analisem mudanças que, se não forem bem planejadas, poderão trazer sérios prejuízos à população”.

“Não podemos desconhecer os perigos trazidos a um debate em torno de um marco regulatório de saneamento que, por exemplo, não vai dar chances àquelas empresas públicas que tem feito um trabalho de excelência, com eficiência, ao longo do tempo, com comprometimento por meio de investimentos em nome da saúde pública do cidadão”, argumentou Veneziano.

Desta forma, o senador defende que a votação seja adiada e que o debate travado mais na frente, de forma mais profunda, quando as sessões presenciais do Senado retornarem.

O maior impasse em torno do projeto é sobre o modelo proposto, que permite abrir mais caminho para o envolvimento de empresas privadas no setor. Parlamentares da oposição, a exemplo de Veneziano, alegam que a exigência de licitações e as metas de desempenho para contratos tenderão a prejudicar e alienar as empresas públicas. Além disso, o texto estabelece prioridade no recebimento de auxílio federal para os municípios que efetuarem concessão ou privatização dos seus serviços.

*Com informações de Edinho Magalhães, correspondente do Correio e Brasília

Comentários

  • Josinakdo disse:

    Deixe de hipocrisia senador,qual a empresa pública,no caso cagepa,que faz um trabalho de excelência?
    Sua preocupação é que o presidente ganhe apoio popular se esse projeto passar. Conta outra.

  • rubens figueiredo disse:

    Senador, apareça na discussão da lava toga e dos pedidos de impeachment dos ministros do STF.
    Não seja mais um covarde!

  • Robert disse:

    É Romão vc não pensa no Brasil, esses políticos em nome de ” Saneamento básico para todos” vão vender a nossa água para qualquer empresa estrangeira.

  • Romão disse:

    Por quê não votar logo? Todas as votações deveriam ser rápidas. Debate é vota. Aprova o que é bom e rejeita ou aprimora o que é ruim. Vocês ganham e muito pra isso. Trabalhem por favor, é o mínimo que podem fazer.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.