Início Notícias

MPT apura violação de diretos em escritórios de advocacia

O Ministério Público do Trabalho (MPT) abriu inquéritos civis para apurar possíveis casos de sonegação de direitos trabalhistas em escritórios de advocacia da Paraíba. Segundo o órgão, grandes escritórios, locais e nacionais, têm negado a profissionais vários direitos, como adicional de férias, FGTS, gratificação natalina e horas extras. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (30).

Leia também:

De acordo com o MPT, os escritórios dão aos profissionais o título de “advogados associados”, o que, na teoria, significaria que eles são sócios dessas empresas. No entanto, o que ocorre é que eles não passam de meros empregados.

“Foi apurado em várias investigações em curso e ações já propostas na Justiça pela Procuradoria que os advogados cumprem jornada de trabalho pré-assinaladas, estão subordinados a supervisores e até a forma como se vestem é determinada pela gestão do escritório, o chamado dress code“, divulgou o MPT-PB.

O procurador Eduardo Varandas, que comanda algumas das investigações, pontua que a prática dos escritórios, além de violação à lei trabalhista, pode configurar a conduta criminosa de frustração de direitos assegurados por lei trabalhista, prevista no art. 203 do Código Penal.

“Trata-se de grave burla não só a CLT como aos direitos sociais previstos na Constituição. Profissionais gabaritados percebem remuneração irrisória em detrimento da alta lucratividade de grandes grupos de advocacia que funcionam como verdadeiras empresas”, aponta.

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.