operacao-apura-fraudes-no-auxilio-reclusao-e-desvios-de-r-1-milhao-na-paraiba
Sede da Polícia Federal em Cabedelo (Foto: Alexandre Freire/Portal Correio)

Operação apura fraudes no auxílio-reclusão e desvios de R$ 1 milhão na Paraíba

Foram expedidas cinco ordens de busca e apreensão, uma de prisão preventiva, além do afastamento de uma servidora pública no INSS de suas funções

461
COMPARTILHE

A Polícia Federal cumpriu, na tarde de quinta (13) e na manhã desta sexta-feira (14), em João Pessoa, mandados judiciais relativos à Operação Catena, que investiga fraudes em auxílios-reclusão concedidos responsáveis pelo prejuízo de R$ 1 milhão aos cofres públicos. Foram expedidas cinco ordens de busca e apreensão, uma de prisão preventiva, além do afastamento de uma servidora pública no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) de suas funções.

Conforme divulgado pela Polícia Federal, os benefícios foram concedidos em 2015. Iniciada em março do ano passado, no âmbito da Força Tarefa Previdenciária, as investigações constataram irregularidades em 23 concessões. Os benefícios estavam sendo pagos a familiares de pessoas que nunca tinham sido presas. Havia também auxílios em prol de filhos de presidiários que nunca existiram.

Todas as ordens judiciais foram expedidas pela 16ª Vara da Justiça Federal de João Pessoa. “A operação interrompeu a fraude que já vinha sendo perpetrada desde 2015, evitando grande prejuízo aos cofres públicos, especialmente se for levado em conta a expectativa média de vida da população brasileira somada ao tempo em que os fraudadores estariam recebendo os benefícios concedidos irregularmente”, divulgou a PF.

Indiciamento

Os envolvidos no esquema foram indiciados pelos crimes de estelionato previdenciário, associação criminosa e inserção de dados falsos em sistema de informações, cujas penas, somadas, podem superar 20 anos de prisão. A pessoa presa na Operação Catena e os materiais apreendidos foram levados para a Superintendência Regional da Polícia Federal na Paraíba. A instituição não divulgou a identidade da pessoa presa.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas