As famílias estão na rua debaixo de chuva (Foto: Reprodução da TV Correio)

Operação retira 250 famílias de condomínio do Governo Federal

A preocupação das famílias é que chove muito em João Pessoa desde essa quarta-feira e elas ficaram ao relento

873
COMPARTILHE

Uma operação da Polícia Federal para a reintegração de posse no Bairro das Indústrias, em João Pessoa, teve clima tenso e confronto entre moradores e policiais. Ao todo, são 250 famílias que ocupavam um condomínio residencial do governo federal e que estão sendo retiradas dos apartamentos.

A preocupação das famílias é que chove muito em João Pessoa desde essa quarta-feira (11) e muitos idosos e crianças de colo ficaram ao relento debaixo da água.

Durante a reintegração de posse houve um princípio de confronto e um dos ocupantes de apartamento no local foi ferido com um tiro de bala de borracha. No local, mães com crianças no colo se desesperaram ao ter que ficar na rua, desamparadas e na chuva.

A operação é uma ação conjunta que conta também com a Polícia Militar, Bombeiros e até o helicóptero Acauã, de acordo com informações da repórter Jaceline Marques, do programa Correio Manhã, da TV Correio.

O coronel Valério, da Polícia Militar, disse que a operação é da Polícia Federal e que as demais corporações estão atuando como apoio. Ele garantiu que o impasse não se estendeu e que a operação segue já com tranquilidade.

A determinação para desocupação do condomínio foi da Justiça Federal na Paraíba (JFPB). Em comunicado à imprensa, o órgão explicou que o empreendimento foi construído no âmbito do Programa Minha Casa, Minha Vida.

“A operação foi determinada após decisão liminar não ter sido cumprida (a liberação deveria ter ocorrido em 22 de maio) e de diversas tentativas de acordos e de ações de sensibilização, tais como como visitas e reuniões com os ocupantes do residencial.  O que ocorre é que a invasão do Residencial Vista do Verde está impedindo a conclusão da obra, dificultando a execução de programas de habitação social no estado da Paraíba financiados pela Caixa Econômica Federal, além de estar prejudicando as famílias destinatárias dos imóveis, as quais estão  comprovadamente em situação de vulnerabilidade social, cadastradas no SEMHAB , e em fila de espera há mais de seis anos”, justificou a Justiça Federal.

Ainda de acordo com o órgão, no dia 19 de abril foi apresentado um panorama geral da situação. No dia 26 do mesmo mês, representantes da Justiça Federal, Caixa Econômica Federal (CEF), Polícia Federal, Polícia Militar, Secretaria Municipal de Habitação Social (Semhab) e Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Sedes) voltaram a se reunir, ficando acordada a realização de uma ação para sensibilizar os ocupantes sobre a necessidade de eles deixarem o local. O encontro aconteceu no dia 8 de maio e foi dado um prazo de 15 dias para que eles desocupassem o condomínio.

“Para o acolhimento das 250 famílias que serão retiradas do local, os representantes da Semhab e da Sedes cadastraram todas  elas nos programas sociais de habitação e informaram os requisitos necessários à solicitação de auxílio-aluguel às que precisarem”, finalizou a Justiça Federal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas