Moeda: Clima: Marés:
Início Meio ambiente

Pesquisadores da UFCG descobrem nova espécie de jararaca

Jararaca-do-jabre (Bothrops jabrensis) foi encontrada em 2016, durante pesquisa no Pico do Jabre
Jararaca nova espécie UFCG
(Foto: Divulgação/UFCG)

Pesquisadores da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), em parceria com pesquisadores de outras instituições do país, anunciaram a descoberta de uma nova espécie de serpente.

A descrição do até então desconhecido réptil foi publicada na última terça (18), em artigo na Canadian Science Publishing, maior editora canadense de periódicos científicos internacionais.

De nome científico Bothrops jabrensis, a agora conhecida como jararaca-do-jabre foi encontrada em 2016, durante pesquisa de campo de uma equipe do Laboratório de Herpetologia da UFCG sobre a biodiversidade de anfíbios e répteis no Pico do Jabre, ponto culminante da Paraíba, com 1.197 metros de altitude, localizado no município de Matureia.

“Achamos o encontro da espécie inusitado, pois foi encontrada na vegetação. Entramos em contato com um amigo, Marco Antonio Freitas, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que é especialista em jararacas, e ele imediatamente reconheceu que estes indivíduos eram diferentes de outras espécies brasileiras e, a partir daí, entramos em contato com Fausto Barbo e Felipe Grazziotin, especialistas em jararacas do Instituto Butantan, e com Gentil Pereira, especialista em taxonomia de serpentes da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Foi quando começamos o desenvolvimento da escrita do trabalho”, explica o professor Marcelo Kokubum.

Escamas e coloração diferente

Segundo o pesquisador, a espécie é distinguível morfologicamente principalmente pelo número de escamas e pela coloração.

Além disso, apresenta hábitos arborícolas (vive em árvores) e está presente em uma localidade longe das demais espécies mais relacionadas (espécies-irmãs) de jararacas de ambientes florestais.

A confirmação veio após análise molecular, realizada no Instituto Butantan, que apontou uma forte diferenciação genética da nova espécie em relação às outras jararacas, revelando a existência de uma linhagem filogenética anteriormente desconhecida que vem evoluindo como uma unidade independente há mais de 8 milhões de anos.

Ameaça de extinção

A descoberta da nova espécie chama a atenção para a importância da preservação da biodiversidade na região.

“Como outros enclaves de floresta úmida da Caatinga, o Pico do Jabre é constantemente ameaçado por caça e queimadas ilegais, desmatamento para fins agrícolas e extração ilegal de madeira. A distribuição restrita da jararaca-do-jabre sugere fortemente que esta espécie, recém-descoberta, já está criticamente ameaçada e provavelmente está se aproximando da extinção como uma população natural”, alerta o pesquisador.

Palavras Chave

Meio ambienteUFCG

Comentários

Deixe seu comentário
Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2022. Portal Correio. Todos os direitos reservados.