Tráfico internacional de drogas
Polícia Federal apreendeu 78kg de cloridrato de cocaína no Rio de Janeiro (Foto: Divulgação/Polícia Federal do Rio de Janeiro)

PF investiga tráfico internacional de drogas por via marítima na Paraíba

Investigações são da polícia do Rio de Janeiro e as ações contam com apoio da Receita Federal e da Aeronáutica

304
COMPARTILHE

A Polícia Federal cumpriu, na manhã desta quarta-feira (10), um mandado de busca e apreensão e de um de prisão temporária, no âmbito da Operação Aegir, que investiga esquema de tráfico internacional de drogas por via marítima.

As investigações são da polícia do Rio de Janeiro e as ações contam com apoio da Receita Federal e da Aeronáutica. O foco é desmantelar uma quadrilha especializada em transportar cocaína por meio de contêineres em navios que seguem para a Europa. De acordo com a Polícia Federal, a droga tem sido transportada em meio a cargas lícitas.

Ainda segundo a PF, a organização criminosa usava pequenas embarcações que encostam nos navios ancorados nos portos e levavam a carga de drogas para dentro deles. Como o pequeno barco se aproximava pelo mar, ele ficava escondido da visão das autoridades portuárias. Uma vez dentro do navio, a cocaína era colocada ilegalmente em contêineres previamente escolhidos de acordo com o destino.

Além da Paraíba e do Rio de Janeiro, o Rio Grande do Norte estava na rota da quadrilha. Ao todo, nesses três estados, são cumpridos 22 mandados judiciais. Participam da operação 200 policiais federais.

Conforme a Polícia Federal, o nome da operação, Aegir, remete à mitologia nórdica, sendo o deus dos mares e oceanos. Aegir era ao mesmo tempo cultuado e temido pelos marinheiros, pois estes acreditavam que o deus aparecia na superfície para tomar homens e cargas e levá-los para seu salão no fundo do oceano.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas