Início Notícias

Prefeitura se diz ‘surpresa’ com greve na Educação e prega diálogo

Gestão classifica atitude como “intempestiva” e destaca que houve pouco tempo para solução de reivindicações históricas da classe
Pagamento, IPTU
Prefeitura de Campina Grande (Foto: Reprodução / Google Street View)

Após professores e servidores da educação de Campina Grande decidirem entrar em greve, em virtude de não observarem condições seguras para a volta às aulas, principalmente na forma presencial, a Secretaria Municipal de Educação (Seduc) veio, publicamente, através de uma nota oficial, manifestar “surpresa” e “perplexidade” diante da decisão anunciada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Agreste da Borborema – Sintab, a qual classificou como “intempestiva”. A gestão, no texto, diz que já vinha mantendo diálogo com a categoria.

A Secretaria Municipal de Educação diz que a atitude do Sintab desconsidera que a atual gestão assumiu a Prefeitura há pouco mais de um mês, tempo que avalia ser demasiadamente curto para solução de reivindicações históricas da classe.

“Não faltaram gestos concretos, até o momento, por parte do prefeito Bruno Cunha Lima, do secretário Raymundo Asfora Neto e de sua equipe, no sentido de manter permanentemente aberta a porta do diálogo. E registre-se: sem demagogia, sem viés ideológico, sem artimanhas políticas, mas sempre de forma transparente, procurando harmonizar as reivindicações da classe com a necessidade do Município de manter o equilíbrio fiscal”, diz a nota da secretaria.

Segundo a gestão municipal, em duas ocasiões, pelo menos, o Sintab teve pedidos de audiências atendidos pela secretaria. A primeira na Seduc, no dia 13 de janeiro, e a segunda, neste último dia 29, na sede da própria entidade.

“Na Administração Pública, as medidas não podem ser tomadas discricionariamente, sem rigor, sem obediência estrita aos limites legais, sem o devido planejamento. Todas as reivindicações do Sintab estão sendo tratadas pela gestão, seguindo todos os trâmites burocráticos básicos que o ordenamento jurídico impõe, mas com sensibilidade e bom senso, visando, acima de tudo, o interesse público e dos valorosos servidores da pasta”, prossegue a nota.

“Consideramos legítima a reivindicação do sindicato para que a vacinação contra a Covid-19 contemple a categoria, principalmente quando toda a cidade testemunhou a comoção, na Rede Municipal de Ensino, pela morte precoce da professora Christianne de Fátima, gestora da Escola Manoel Motta, em Bodocongó, vítima fatal da doença, no último domingo (31). Mas, por uma questão de justiça, é preciso lembrar: o primeiro prefeito do Brasil a pleitear ao Ministério da Saúde a inclusão dos trabalhadores da Educação entre os grupos prioritários para a imunização foi Bruno Cunha Lima, durante videoconferência com o ministro Eduardo Pazuello e os gestores das capitais brasileiras e de todas as principais cidades-polo do País. Bruno lamentou e denunciou na ocasião: no debate nacional, a pauta da Educação sempre foi relegada a último plano desde a eclosão da pandemia”.

A Secretaria de Educação de Campina Grande afirma ainda que continua de portas abertas para o “diálogo construtivo, objetivo e maduro”, esperando que o Sintab tenha a compreensão do atual momento e dos desafios referentes a uma época de rupturas de padrões, grave crise econômica e perspectivas preocupantes para todos os municípios brasileiros. 

“A greve foi e sempre deverá ser o último recurso das categorias, jamais o primeiro gesto, numa permanente mesa de negociação. Em Campina Grande, a ambiência permite canais constantes de entendimento, portas abertas para o diálogo e disposição de construir alternativas, dentro das condições possíveis ao Município. Radicalizar, neste instante, é jogar por terra a oportunidade de avançar e consolidar conquistas”, finaliza a nota.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.