Início Notícias

Reunião com pipeiros estampa problemas além do ICMS

Após um dia marcado por manifestações de pipeiros em todo o estado, a associação que representa a categoria, por meio da equipe jurídica, representada pelo advogado Sérgio Góes, se reuniu nesta segunda-feira (21) com o secretário da Receita Estadual, Marconi Marques Frazão, para tratar da cobrança de 18% de Imposto de Circulação de Mercadorias (ICMS). Segundo o gestor da pasta, houve um equívoco relacionado à essa cobrança e, por isso, o Governo do Estado já está acionando o Exército, órgão que faria a retenção do imposto, para que ela não seja feita.

O fato, no entanto, é que, conforme a categoria, esse não é o único problema que envolve o dia a dia de trabalho. O encontro estampou que situações que vão além dessa cobrança.

O advogado dos pipeiros destacou que a notícia de uma ‘cobrança a mais’ veio de surpresa e a reação deles em fazer o manifesto foi, segundo ele, justa. Sérgio complementou ainda que são várias as motivações que a categoria carrega para realizar protestos, como salários atrasados, estradas ruins que danificam os veículos, alto custo de manutenção do carro-pipa, alta do combustível e mais impostos.

O advogado da Associação dos Pipeiros informou também que a situação deve se acalmar após a conversa com a Secretaria da Receita, mas destacou que a categoria vai aguardar também o posicionamento do Exército, tendo em vista que o 15º Batalhão foi quem emitiu esse parecer e ainda não deu esclarecimentos sobre o fato.

A reportagem tentou contato com o Exército, mas a informação é que uma nota oficial será emitida nesta terça-feira (22).

Cobrança veio do Exército

Marconi Frazão esclareceu que essa cobrança foi uma iniciativa do Exército e que o Governo do Estado já está negociando o fim dela. “O Exército publicou o comunicado dizendo que a partir de maio iria reter o ICMS dos pipeiros, mas na realidade o Exército não pode fazer essa retenção. Diante dos fatos, o Governo do Estado decidiu comunicar ao Exército, através de nota oficial, que ele não pode fazer essa retenção porque é um órgão não contribuinte”, explicou o secretário, pontuando ainda que o governador Ricardo Coutinho está tentando resolver o problema também a nível nacional, solicitando ao Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) a isenção desse tipo de operação.

Marconi destacou que é importante o retorno imediato das atividades dos pipeiros porque não houve nenhuma incidência de imposto novo. “Aguardamos o retorno dos pipeiros às atividades já que não houve motivos para tal situação, porque até agora não foi retido nada de ICMS. Provavelmente a partir de amanhã (terça-feira) os pipeiros devem realizar as suas atividades normalmente porque não houve nenhuma incidência de imposto novo, apenas um mal entendido”, frisou.

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.