Moeda: Clima: Marés:
Início Notícias

Tecnologia é principal arma contra ataques a bancos

O uso da tecnologia para evitar ataques a bancos é uma das saídas adotadas pelas instituições financeiras no combate à criminalidade. Na Paraíba, 19 crimes dessa modalidade foram registrados em 2019, número 75,64% menor que os 76 casos de 2018.

Leia também:

Para o diretor de Segurança do Banco Santander Brasil, Douglas Prehl, a ideia é ter a tecnologia a favor da segurança das instituições não só para o combate ‘em campo’, mas principalmente na prevenção de crimes.

Douglas Prehl está em João Pessoa, onde participa do Fórum 2019 do Instituto Brasileiro de Segurança e Justiça (iBRASJUS Fórum 2019), que ocorre no Centro Cultural Ariano Suassuna, no Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB). Ele se apresentou na tarde desta terça-feira (27), no Painel 5, com o tema ‘A Tecnologia como Instrumento de Governança, Gestão e de Potencialização da Capacidade Operativa do Sistema de Justiça Criminal’.

Tecnologia

Douglas Prehl, diretor de Segurança do Santander (Foto: Divulgação/Nice Almeida)

Em 2016, o Santander era líder em ataques a bancos em todo o Brasil e, segundo Prehl, a empresa está em último lugar no ranking de explosões a banco no país, ficando até 135 dias sem sofrer ataques desse tipo.

“Através da tecnologia, de reconhecimento facial, é possível prever o ataque para fazer monitoramento e, quando o bandido chega para cometer o crime, o banco já está preparado para evitá-lo”, afirmou.

Essa forma de combater o crime em bancos ocorre, por exemplo, com ferramentas que possibilitam a concentração de operações em uma sala de controle, que possui a chave para bloquear e desbloquear o funcionamento de uma agência, impedindo que bandidos tenham poder de decisão.

Para Prehl, quando se trata de crimes contra bancos, não pode haver concorrência entre as instituições financeiras. Por isso, Prehl defende o compartilhamento de informações sobre tecnologia e segurança para outros bancos que procurarem o Santander com o objetivo de implementar recursos e ferramentas de proteção a clientes e agências.

“Ataques a bancos são ataques à sociedade, devido à voracidade e à violência com que eles são executados. O Santander tem compartilhado tecnologia com parceiros. Não existe concorrência nessa área. A ideia é encarcerar mais criminosos”, afirmou.

iBRASJUS Fórum 2019

O evento começou nessa segunda-feira (26) e segue até o próximo dia 28. Nessa segunda, o iBRASJUS Fórum 2019 foi aberto pelo vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia. Veja aqui a programação completa. 

Além do secretário nacional de Segurança Pública, o segundo dia do iBRASJUS Fórum 2019 conta com a participação do ex-secretário Nacional e consultor em Segurança Pública, Coronel José Vicente da Silva Filho, e do promotor de Justiça de São Paulo, Lincoln Gakiya.

Comentários

Deixe seu comentário
Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2022. Portal Correio. Todos os direitos reservados.