trabalhadores-dos-correios-fazem-mutirao-para-nao-acumular-entregas-na-greve
Servidores dos Correios entram em greve (Foto: Divulgação)

Correios diz que faz mutirão para diminuir prejuízos da greve

Paralisação, segundo o sindicato, será por tempo indeterminado e à nível nacional

228
COMPARTILHE

O diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos na Paraíba (Sintec-PB), Emanoel Santos, informou ao Portal Correio, nesta sexta-feira (9), que os trabalhadores vão fazer mutirão nestes sábado (10) e domingo (11) para adiantar entregas e não acumular encomendas durante a greve, prevista para começar às 0h da próxima segunda-feira (12).

A paralisação, segundo o sindicato, será por tempo indeterminado e à nível nacional. O pagamento de mensalidade no plano de saúde, o fechamento de agências e a falta de segurança nas agências são os principais motivos para a mobilização.

“A categoria decidiu parar na segunda porque é o dia que o Tribunal Superior do Trabalho vai decidir sobre o plano de saúde que temos. Vamos pressionar o TST porque tem que manter o plano, com coparticipação. Mas a luta vai além disso; estamos entrando também por causa de fechamentos de mais de mil agências e demissões. É inaceitável”, disse Emanoel Santos.

Ainda de acordo com o diretor do Sintec-PB, a estimativa de quantos servidores e quantas agências vão parar na Paraíba só pode ser confirmada na segunda (12). “Nós só teremos essa dimensão a partir de segunda, mas sabemos que nunca será 100%. Carteiros e atendentes vão entrar, que são a maioria, mas, geralmente, 30% não adere”.

sindicato realizou uma Assembleia no último dia 2, às 19h, na sede, para avaliar a proposta apresentada pelo ministro do Tribunal Superior do Trabalho em audiência de conciliação, sobre o plano de saúde. Os trabalhadores rejeitaram a proposta por unanimidade.

“Não ao pagamento de mensalidade no Plano de saúde. Não ao fechamento de agências. Não à demissão de 24 mil trabalhadores. Não à suspensão das férias. Não à retirada do Adicional de Mercado. Não à extinção do cargo de OTTs. Não à falta de segurança nas agências”, pontuou o Sintec em nota oficial.

Notícias mais lidas