Moeda: Clima: Marés:
Início Educação

UFPB convida pesquisadores para submeter propostas sobre aplicações em redes 5G

Edital lançado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia vai apoiar projetos de aplicações que apoiem serviços potencializados pelas características das redes 5G privadas
5G
Foto: Imagem ilustrativa/Pixabay

A Coordenação Geral de Pesquisa da Pró-Reitoria de Pesquisa (Propesq) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) realiza nesta quarta-feira (27) uma reunião com pesquisadores interessados em submeter propostas para desenvolver aplicações em redes 5G privadas.

O edital lançado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) tem por objetivo conceder recursos financeiros não reembolsáveis para Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs) credenciadas junto ao Comitê da Área de Tecnologia da Informação (CATI) para a realização de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação relacionados ao desenvolvimento de aplicações (plataformas e/ou softwares ou sistemas computacionais) que apoiem a implementação de novos serviços potencializados pelas características das redes 5G privadas.

Serão R$ 12,5 milhões em recursos não reembolsáveis para ICTs. De acordo com o edital, serão apoiados projetos de inovação que contemplem soluções aderentes a linhas temáticas já estabelecidas como agro 4.0, saúde 4.0, cidades inteligentes e indústria 4.0, e que cumpram os requisitos das redes 5G privadas. Cada proposta solicitando financiamento ao Finep deverá ter valor máximo de R$ 5 milhões.

Para mais informações os interessados podem entrar em contato com a Propesq pelo e-mail: [email protected]

Sobre a 5G

A tecnologia 5G corresponde à quinta geração de transporte de dados em redes envolvendo dispositivos móveis e que tem potencial de contribuir para geração de novos serviços de valor agregado associados à mobilidade. 

Os principais diferenciais desta tecnologia são os de habilitar a conexão de dispositivos de forma massiva com o crescimento da comunicação entre máquinas (Internet das Coisas Massiva); elevar a taxa de transmissão permitindo envio e recebimento de conteúdos digitais mais complexos (banda larga móvel avançada); e baixa latência possibilitando aplicações em tempo real e uma conexão mais confiável (Internet das Coisas Crítica).

Palavras Chave

EducaçãoTecnologia

Comentários

Deixe seu comentário
Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2022. Portal Correio. Todos os direitos reservados.