Moeda: Clima: Marés:
Início Justiça

Caso Júlia dos Anjos: acusado da morte é condenado a mais de 40 anos de prisão

Francisco Lopes de Albuquerque, que era padrasto da vítima, foi condenado pelos crimes de estupro, homicídio e ocultação de cadáver
Júlia dos Anjos Brandão
Júlia dos Anjos Brandão tinha 12 anos (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)

Francisco Lopes de Albuquerque, acusado da morte de Júlia dos Anjos Brandão, de 12 anos, foi condenado a 40 anos e seis meses de prisão pelos crimes de estupro, homicídio e ocultação de cadáver.

A sentença foi divulgada no início da noite desta terça-feira (18), pela juíza Aylzia Fabiana Borges Carrilho.

Ao ler a sentença, a magistrada ressaltou que Francisco, que era padrasto de Júlia, “agiu de forma fria e premeditada, uma vez que esperou a genitora da vítima dormir para se encaminhar ao quarto desta e satisfazer sua lascívia”.

Relembre o caso

Júlia dos Anjos Brandão, de 12 anos, desapareceu de um condomínio residencial no bairro de Gramame, em João Pessoa, no dia 7 de abril de 2022. Segundo familiares, Júlia tinha saído de casa somente com o celular. Os parentes da adolescente acreditavam que ela havia sido raptada ou induzida a sair de casa por algum estranho.

A primeira linha de investigação apontava para uma pessoa no Instagram. O perfil em questão se apresentou à adolescente pela rede social e ofereceu serviço de marketing digital. A mensagem da suposta consultora prometia um aulão gratuito a Júlia e dizia que a adolescente poderia ganhar dinheiro com a internet. Mas não demorou muito até que o delegado Rodolfo Santa Cruz descartasse a suspeita, pois a pessoa foi localizada, tinha endereço e contatos ativos e estava em outro estado.

A última pessoa a ver a adolescente em casa tinha sido o padrasto, Francisco Lopes. Nos primeiros depoimentos à Polícia Civil, ele informou às autoridades que, a pedido da esposa, Josélia Araújo, foi até o quarto de Júlia por volta das 6h40 do dia 7 de abril para verificar se ela já havia levantado. Segundo a versão inicial do padrasto, a adolescente dormia e Francisco teria saído para trabalhar logo em seguida. A mãe de Júlia se levantou por volta das 9h e percebeu que a menina não estava em casa.

Desde então, parentes se mobilizaram nas buscas por Júlia. O pai dela, Jeferson Brandão, que mora no Paraná, veio a João Pessoa com a atual companheira e uma tia da adolescente. A mãe dela, que está grávida de dois meses, também participou da procura por Júlia. Os familiares da menina percorreram diversos bairros e áreas de mata na Capital.

O desfecho trágico da história aconteceu no dia 12 de abril de 2022, com a confissão do padrasto. De acordo com o delegado Hector Azevedo, responsável pelas investigações, Francisco Lopes alegou que Júlia não aceitava a gravidez da mãe e temia que a adolescente fizesse algum mal contra o bebê. A confissão do padrasto ocorreu após a Polícia Civil confronta-lo sobre divergências entre o depoimento dele e outras oitivas e apurações. O corpo de Júlia foi encontrado em um poço na Praia do Sol, local indicado pelo suspeito.

Francisco Lopes teve a prisão mantida após audiência de custódia. Durante a sessão, ele teria confessado abuso sexual contra a enteada, informação que não havia sido apresentada no depoimento à Polícia Civil. As autoridades, então, pediram um novo interrogatório e, desta vez, o homem confessou que abusou da menina durante os quatro meses que antecederam o crime.

Receba todas as notícias do Portal Correio no WhatsApp

publicidade
© Copyright 2024. Portal Correio. Todos os direitos reservados.