Protestos na PB

Em João Pessoa

Contra aumento de preços

TV Correio

Cássio cobra de Temer solução para crise dos combustíveis

287
COMPARTILHE

O vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), cobra agilidade do presidente Michel Temer para solucionar o impasse com os caminhoneiros que seguem protestando por todo o país, comprometendo o abastecimento dos postos de combustíveis, prejudicando a produção industrial e fornecimento de alimentos à população.

Leia também: 

* Justiça decide que paralisação não pode impedir abastecimento

* Caminhoneiros serão autuados por descumprimento de liminar

* PB tem 80% dos postos sem combustíveis e 30% já fecharam

Para Cássio, o governo optou pelo caminho que julgou mais cômodo ao promover uma política de reajustes vinculada às oscilações do mercado internacional, ignorando o impacto desta opção sobre a realidade da população.

“Os erros do Governo Michel Temer deixam o País vulnerável, próximo de sofrer um colapso no fornecimento de combustíveis e de alimentos. O presidente precisa agir e rápido”, afirmou Cássio. A crise de combustíveis, diz ele, pode agravar ainda mais os efeitos da retração econômica que o país atravessa.

Os Estados, argumenta o senador, também têm responsabilidade sobre esta crise, em função do aumento na carga tributária sobre os combustíveis. “No meu Estado, a Paraíba, que tenho a honra de representar aqui no Senado, mais de 40% dos preços dos combustíveis dizem respeito a impostos, incluindo o ICMS”, indicou.

Ainda segundo o parlamentar paraibano, o protesto dos caminhoneiros é o mais visível, pelos efeitos imediatos causados, mas a população está claramente inconformada e revoltada com os aumentos abusivos no preço dos combustíveis. Cássio defende ainda que o Congresso Nacional deve assumir um papel importante na busca por uma solução para o impasse com os caminhoneiros. “O fundamental neste momento é encontrar caminhos para evitar que a população sofra ainda mais e aprofundar o diálogo para resolver o problema”, acrescenta.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas