Moeda: Clima: Marés:
Início Justiça

MPPB recomenda que PMs não façam greve e sejam investigados caso paralisem atividades

Promotores recomendaram ao comando-geral da PM a tomar providências para fornecer equipamento de proteção aos policiais
1º Batalhão da Polícia Militar (Foto: Divulgação)

O Núcleo de Controle Externo da Atividade Policial do Ministério Público da Paraíba (Ncap/MPPB) recomendou ao comando-geral da Polícia Militar do Estado a tomar providências para garantir o fornecimento de equipamentos de proteção individual (EPIs).

Também foi recomendado a todos os PMs que não paralisem suas atividades, nem façam greve e que os casos de militares que se negarem a prestar as atividades de segurança pública, por qualquer motivo, sejam apurados pela corregedoria-geral da corporação e remetidos ao MPPB para a adoção das medidas cabíveis.

A recomendação foi expedida pelos promotores de Justiça José Guilherme Soares Lemos, Cláudio Antônio Cavalcanti e Túlio César Fernandes Neves, uma vez que militares vêm se negando a desenvolver suas atividades, sob a alegação de omissão, por parte do comando-geral da PM, em fornecer EPIs essenciais para o exercício da função.

O fornecimento do equipamento consta no Regulamento de Uniformes da Polícia Militar da Paraíba (Decreto 31.886/2010).

Atividade imprescindível

Os promotores de Justiça destacaram que a atividade policial é imprescindível à manutenção da normalidade democrática, sendo impossível sua complementação ou substituição pela atividade privada.

Ainda conforme os promotores, a greve, como direito social previsto na Constituição Federal, é proibida aos servidores públicos que atuem diretamente na área de segurança pública, já que deve prevalecer o interesse público e social na manutenção da segurança interna, da ordem pública e da paz social sobre o interesse individual que se tem alegado como violado (o fornecimento de EPIs essenciais para os militares estaduais).

Palavras Chave

Justiça

Comentários

Deixe seu comentário
Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2022. Portal Correio. Todos os direitos reservados.