Início Política

Senado decreta luto oficial por morte de José Maranhão

Sessão deliberativa prevista para esta terça-feira foi cancelada pelo presidente da Casa, Rodrigo Pacheco
José Maranhão (Foto: Pedro França/Agência Senado)

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, decretou luto oficial de 24 horas na Casa pela morte do senador paraibano José Maranhão, de 87 anos, ocorrida nesta segunda-feira (8) em decorrência de complicações da covid-19. O senador estava internado em São Paulo desde 3 de dezembro e seu corpo será levado para sua terra natal, Araruna, na Paraíba, onde será enterrado. Com o luto oficial, foi cancelada a sessão deliberativa prevista para esta terça-feira (9). Ficam mantidas apenas as reuniões internas, como a de lideranças partidárias.

Veja a íntegra da nota do presidente do Senado:

“É com grande pesar que o Congresso Nacional recebe a confirmação, nesta segunda-feira (8), da morte do senador paraibano José Maranhão, aos 87 anos, vítima de complicações decorrentes da Covid-19. Em homenagem à sua memória, o Senado Federal decreta luto oficial de 24 horas. Ficam mantidas as reuniões internas de trabalho, como a Reunião de Líderes da Casa. 

José Targino Maranhão cumpria o seu segundo mandato como senador da República. Maranhão começou na política na década de 1950. Precisamente em 1955, quando foi eleito deputado estadual, cargo para o qual foi reeleito por mais três mandatos. Também foi três vezes deputado federal. E governador do estado da Paraíba em três ocasiões. As sinceras condolências do Parlamento Brasileiro à família, amigos e a todos os paraibanos e paraibanas.”

Colegas lamentam

Em suas redes sociais, senadores lamentaram a morte do colega. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) lembrou que Maranhão teve participação importante na história política do país. “Era no Senado o único senador remanescente do golpe militar de 1964. Ele foi cassado pela ditadura e ajudou na fundação do MDB”, tuitou. “De longe um dos maiores expoentes da nossa política, em muito contribuiu no parlamento”.

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) destacou que Maranhão foi “uma referência da política nordestina” e Cid Gomes (PDT-CE) o considerou “um defensor do Nordeste”. Também já se manifestaram Weverton (PDT-MA), Roberto Rocha (PSDB-MA) e Telmário Mota (Pros-RR) para quem Maranhão foi um lutador “a favor da vida dos paraibanos e brasileiros”.

Acompanhe a cobertura completa do Portal Correio

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.