Saúde

Consumidor

Campina Grande

TV Correio

No desfile das Muriçocas, uma bala perdida atingiu a janela de um apartamento em JP/Foto: REprodução WhatsApp

Enquete: 73% avaliam segurança na PB como ruim ou péssima

Consulta foi iniciada no último sábado (10) e se encerrou nesta sexta-feira (16). Na mesma enquete, 14% das pessoas classificaram a segurança como regular

6
COMPARTILHE

Imagine você sair para trabalhar e de repente virar refém de bandidos, na mira de armamento pesado, que a polícia nem sequer pensa em algum dia possuir. Imagine estar caminhando até o ponto de ônibus e ser abordado por alguém que exige que você entregue seu celular e, ao menor movimento seu, te dá um tiro ou uma facada. É com esse medo que a população paraibana tem convivido diariamente e, apesar do discurso otimista do governo, a população da Paraíba garante que não está se sentindo segura.

Esse sentimento foi reproduzido em uma enquete feita pelo Portal Correio, na qual 72,95% dos participantes classificaram a segurança do estado como ruim ou péssima. A consulta foi iniciada no último sábado (10) e se encerrou nesta sexta-feira (16). Disseram achar péssima, 53,44% e ruim, 19,51%. Na mesma enquete, 14,74% das pessoas classificaram a segurança como regular. Já 8,58% dos participantes avaliaram como boa e apenas 3,71% consideraram a situação da segurança paraibana como ótima.

Algumas pessoas que participaram da consulta também deixaram comentários na matéria expressando revolta e sentimento de insegurança que assola o estado. Como é o exemplo de Risvonelson, que disse que a segurança está em péssima situação. Outro que também criticou a situação foi o internauta que se identificou como Bruno. Ele classificou como péssima a situação da segurança paraibana.

“A segurança na Paraíba está péssima e a falta de efetivo policial nas polícias estaduais é o fator que mais contribui para essa situação. Não fossem os bravos policiais que, mesmo com os piores salários do país fazem um grande trabalho, estávamos literalmente mortos”, postou.

A voz da Igreja

A situação da violência está tão complicada que até a Igreja Católica se manifestou sobre isso. O tema da Campanha da Fraternidade deste ano é ‘Fraternidade e Superação da Violência’, com o lema: ‘Vós sois todos irmãos’, em referência à passagem bíblica no livro de Mateus 23,8. O arcebispo da Paraíba, dom Manoel Delson, cobrou compromisso, inclusive dos gestores públicos, com o combate à violência.

dom-delson-prega-tolerancia-e-cobra-da-gestao-publica-combate-violencia
Dom Delson celebrou missa que marcou abertura da Quaresma/Foto: Nalva Figueiredo (Jornal Correio da Paraíba)

“Precisamos rever nossa cultura da resposta violenta, da intolerância, substituindo por uma cultura do amor, da paz, do respeito às diferenças, seja de religião, de sexo, de cor. Precisamos respeitar a todos, porque todos somos irmãos em Cristo”, disse Dom Delson.

Sobre o combate à violência, Dom Delson disse que todos somos responsáveis. “Cada um tem que fazer o seu papel, desarmando os espíritos, preferindo as respostas de amor às respostar de ódio. E a convocação para que cada um faça a sua parte envolve também os gestores públicos, responsáveis pela promoção de políticas de combate e prevenção à violência. Todos precisam ser responsáveis, inclusive os gestores públicos”, cobrou.

Casos recentes

Não é de hoje que a população paraibana tem convivido diariamente com a insegurança. Inúmeros são os relatos de assaltos, roubos, explosões de banco, entre outros. Alguns desses aconteceram recentemente em Campina Grande. Em janeiro, bandidos destruíram um setor do Shopping Partage durante um roubo, fizeram reféns em plena rua e sem nenhuma pressa causaram um grande estrago.

Algumas pessoas que moram próximo do shopping fizeram imagens e compartilharam vídeos nas redes sociais. Em alguns deles, ouve-se a pergunta: “Cadê a polícia que não chega?”.

Uma das vítimas explicou como foi parte da ação dos bandidos. “Pediram para eu descer do carro. Disseram que não iam fazer nada, mas pediram para eu me afastar. Aí pegaram a chave do carro e levaram. Aí colocaram na transversal da rua e levaram o celular e eu não encontrei mais a chave, tive que pegar a reserva”, disse sem se identificar.

No mesmo mês, a cidade já havia sido alvo de outra ação ousada dos bandidos, que invadiram a agência da Caixa Econômica Federal localizada na Universidade Federal de Campina Grande. Uma das vítimas relatou como foi a ação, dizendo que os bandidos não queriam bolsas, mas o dinheiro do banco.

Mas Campina Grande não é a única ‘privilegiada’ com estas ações. Em junho de 2016, o bairro do Bessa, em João Pessoa, presenciou uma cena parecida vista no Partage Shopping. Bandidos fecharam a rua, fizeram reféns e chegaram a atirar em direção de vítimas enquanto destruíam uma agência da Caixa Econômica. A PM não apareceu no local.

Resposta das autoridades

O Portal Correio entrou em contato com o secretário de Segurança Pública, Cláudio Lima, que se recusou a comentar os números de imediato. Ele solicitou que fosse enviada para ele a enquete. A reportagem atendeu a solicitação, mas não recebeu retorno. Já o comandante geral da Polícia Militar evitou falar, alegando, através de sua assessoria, que, por conta da hierarquia, caberia ao secretário dar essa resposta.

As autoridades de segurança seguem em silêncio. Enquanto a população cobra respostas e soluções imediatadas para ataques, assaltos e assassinatos por motivos banais, autoridades de segurança se negam a falar e evitam a imprensa, com telefones desligados, ‘jogo do empurra’ ou questionando as formas de apuração dos jornalistas.

Especialista comenta

O especialista em segurança Deusimar Guedes também comentou os números da enquete. Segundo ele, a sensação de insegurança é tão prejudicial quanto a insegurança em si.

“A sensação de insegurança traz uma diminuição da qualidade de vida, tanto quanto a insegurança. Às vezes até a força policial consegue manter uma tranquilidade, resolver o caso, mas não traz esta sensação. Por isto que a gente diz que a sensação é tão importante quanto. Crimes contra patrimônio as vezes assusta mais até do que crimes contra a vida”, afirmou.

Ele lembra que a presença da polícia é imprescindível para mudar isso. “O maior crime é o homicídio, mas se morre várias pessoas em um presídio, por exemplo, não assusta tanto quanto um arrastão em um restaurante. Crime contra o patrimônio deixa a sensação que todo mundo está vulnerável àquilo. A presença ostensiva é importante para dar a sensação, mas tem que resolver os crimes. No Brasil, em menos de 10% dos homicídios, o assassino vai realmente para cadeia”, explicou.

A opinião de deputados

“Esse assunto tem marcado a minha atuação. Já no primeiro ano do meu mandato pedi a substituição do secretário Claudio Lima, porque ele não desenvolvia a contento a sua missão. Convocamos várias audiências públicas, lamentavelmente nem o governador, nem o secretário, nem a cúpula da PM compareceram a nenhuma dessas audiências mostrando desinteresse na solução dos problemas que envolvem a população quanto ao direito de ir e vir” – Renato Gadelha.

“A segurança está diretamente ligada ao aumento da violência, que tem raízes na exclusão social. Esse problema precisa ser enfrentado por todos os entes federativos. É importante que se crie um fundo nacional de segurança pública e que os estados vejam a questão de investir ainda mais nesse setor. Estou estudando para, ainda nesse semestre, apresentar um Projeto de Lei que possa criar uma espécie de fundo especial para a segurança da Paraíba” – João Bosco Carneiro.

“Enquanto os governantes não se empenharem e não se dedicarem em dar educação e geração de emprego à nossa população, vai existir violência porque o governante não pode entrar nas casas dos cidadãos e dizer que ele não pratique nenhum ato de violência. É esse o questionamento que a gente também faz sobre educação familiar e, para isso, os políticos têm que investir em ações sociais”Zé Paulo.

 

“Claro que a gente sabe que a violência está tendo uma epidemia no nosso país, mas precisamos dar respostas para isso. Tivemos a lei, de minha autoria, que trata de colocar dispositivo que inutiliza as cédulas dos caixas eletrônicos para inibir as explosões a bancos. A população clama porque existe uma insegurança geral na Paraíba” – Daniela Ribeiro.

 

“Os dados são alarmantes no estado. Apenas em Campina Grande, nos últimos dias, tivemos o shopping e um dos principais supermercados atacados duas vezes. A insegurança faz que nós todos sejamos vítimas. Nós estamos trancafiados e quem deveria estar preso não está. O pior é a inanição do governo, do governador Ricardo Coutinho, do secretário de Segurança, os comandantes da Polícia Militar simplesmente não dão uma única palavra de satisfação à cidade e ao estado. O interior vive clima de banditismo puro. Isso demonstra claramente a ineficiência e o descuido do governo” – Bruno Cunha Lima.

Com tudo isto posto, fica a pergunta: até quando o governo irá fingir que os paraibanos vivem em um paraíso e vão começar a perceber que precisam melhorar a segurança pública?

Leia também: Enquanto leis não mudam, sair de casa é ‘ato de coragem’ frente à violência

COMENTÁRIOS

  1. Este 37% mora em que estado por quer na PB que eu ando todas as cidades a população esta com medo , então este 37% estão em uma redoma ou nos palácios..andando de avião.

  2. É muito fácil criticar quem está fora da gestão mas esses mesmos críticos que também passaram pelo poder não fizeram nada para que hoje tivéssemos uma melhor estrutura na segurança na saúde e na educação esse último pilar que é com certeza a solução de um país desenvolvido e igual para todos e não uma memória a qual escraviza a grande massa de trabalhadores que se quer tem auxílio moradia auxílio educação etc basta de desigualdade

    • Se teve uma melhora, pq 73% consideram ruim a segurança da PB???? E se prepare q a avaliação da saúde do estado vai ter um resultado pior, pois falta médico, remedios, hospitais sujos e parece mais um matadouro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas