Início Notícias

Emoções e homenagens a quem partiu em 2020

Ao longo do ano de 2020, personalidades, políticos, artistas e profissionais de destaque nas mais variadas áreas faleceram e deixaram saudades entre os paraibanos. Alguns deles foram vítimas da Covid-19, causada pelo novo coronavírus. Entre algumas das partidas estão as do humorista Marcelo Piancó, do arcebispo emérito da Paraíba, Dom Aldo Pagotto, e dos músicos Pinto do Acordeon, Louro Santos e Zé Calixto. Relembre abaixo.

Desembargador aposentado Júlio Paulo Neto (Foto: Divulgação/TJPB)

O desembargador aposentado Júlio Paulo Neto faleceu no dia 26 de janeiro, aos 80 anos, vítima de insuficiência renal. Ele era casado com a defensora pública e poetisa Berenice Ribeiro Coutinho. O jurista ingressou no Ministério Público estadual em 1968, onde fez carreira, ascendendo ao cargo de procurador-geral de Justiça, eleito por duas vezes pelos membros da instituição. Em março de 2002 foi escolhido para ocupar vaga proveniente do Quinto Constitucional do Tribunal de Justiça da Paraíba, sendo eleito, em 2005, para ocupar a vice-presidência e, posteriormente, a presidência da Corte.

Fernanda Benvenutty (Foto: Reprodução/Facebook)

A ativista de direitos LGBT+ Fernanda Benvenutty morreu no dia 2 de fevereiro, em João Pessoa, aos 57 anos, vítima de câncer. Ela foi uma das fundadoras da Associação das Travestis da Paraíba (Astrapa) e uma das primeiras pessoas LGBT a ingressarem na política no estado. Disputou eleições para vereadora e deputada estadual quatro vezes, mas nunca se elegeu. Além de atuar na causa política, também era ativista cultural e há anos se dedicava à escola de samba Unidos do Roger, da Capital.

Marcus Odilon Ribeiro Coutinho (Foto: Reprodução/Instagram)

O ex-prefeito de Santa Rita, Marcus Odilon Ribeiro Coutinho, morreu em João Pessoa, no dia 24 de fevereiro, aos 80 anos. Historiador e advogado, iniciou a carreira política em 1960, quando foi eleito prefeito de Juarez Távora. Venceu pela segunda vez as eleições no município em 1968. Oito anos depois, foi eleito prefeito de Santa Rita pela primeira vez. Depois, foi eleito deputado estadual e concorreu nas eleições para prefeito de João Pessoa e vice-governador do Estado. Em 1988, voltou a ser eleito prefeito de Santa Rita. Em 2002, concorreu às eleições para deputado estadual, mas não se elegeu. Acabou retornando à Prefeitura de Santa Rita em 2004 e foi reeleito em 2008.

Bola, como era conhecido, tinha 60 anos (Foto: Reprodução/Facebook)

Raimundo Nonato Batista Filho, conhecido como Bola, morreu no começo da madrugada do dia 7 de março, aos 60 anos, em João Pessoa. Ele era presidente do Folia de Rua, que é um projeto do período carnavalesco da Capital. Conforme a família, Bola lutava contra um câncer no fígado.

Humorista Marcelo Piancó se tratava de um câncer (Foto: Reprodução/Instagram/marcellopianco)

O humorista paraibano Marcelo Piancó faleceu no dia 22 de março, em João Pessoa. Ele estava lutando contra um câncer no fígado, mas não resistiu e veio a falecer no hospital Napoleão Laureano, onde vinha se tratando. Piancó descobriu que estava com câncer no fim do ano passado, doença que foi anunciada por ele mesmo nas redes sociais.

Dom Aldo Pagotto (Foto: Reprodução/Facebook/Arquidiocese de Fortaleza)

O Arcebispo Emérito da Paraíba, Dom Aldo di Cillo Pagotto, morreu na tarde do dia 14 e abril, em Fortaleza (CE), vítima da Covid-19. Ele tinha 70 anos e exercia o ministério no Santuário São Benedito, no Centro de Fortaleza. Ele enfrentava um tratamento contra um câncer. O religioso nasceu no dia 16 de setembro de 1949 na cidade Santa Bárbara D’Oeste (SP). Cursou filosofia e teologia no Seminário Diocesano Nossa Senhora do Rosário, em Caratinga (MG) e no Seminário São Pio X, com padres sacramentinos. Foi ordenado presbítero em 7 de dezembro de 1977 e sagrado bispo no dia 31 de outubro de 1997, por Dom Cláudio Hummes, então Arcebispo de Fortaleza. Pastoreou a Diocese Sobral como coadjutor entre 1997 e 1998, depois assumindo como bispo titular, onde ficou até o ano de 2004. Foi Arcebispo da Paraíba de 2004 a 2016.

João Claudino Fernandes (Foto: Reprodução/Instagram/armazempb)

O empresário João Claudino Fernandes morreu no dia 24 de abril, aos 89 anos de idade, em Teresina (PI). O paraibano era co-fundador do Armazém Paraíba, carro-chefe do Grupo Claudino, um dos maiores conglomerados empresariais do Brasil e do Piauí, incluindo loja de departamento, gráfica, shopping, fábrica e transportadora, empregando cerca de 17 mil colaboradores.

Wills Leal era membro da Academia Paraibana de Letras (Foto: Reprodução/Instagram/lealwills)

O escritor e jornalista paraibano Wills Leal faleceu aos 83 anos no dia 7 de maio, em João Pessoa. Ele foi vítima de uma parada cardiorrespiratória. Nascido no dia 18 de setembro de 1936, em Alagoa Nova, no Brejo da Paraíba, graduou-se em Filosofia e, posteriormente, bacharelou-se em Línguas Neolatinas, na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), especializando-se em Língua e Literatura Francesa. Ingressou na Academia Paraibana de Letras em 29 de maio de 1992.

Wilson e Lúcia Braga (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)

A ex-primeira-dama da Paraíba e ex-deputada federal Lúcia Braga morreu aos 85 anos, no dia 8 de maio, vítima do novo coronavírus. Ela foi a primeira mulher da Paraíba eleita deputada federal, em 1986. Na Câmara Federal, atuou de 1987 a 1995 e de 2003 a 2007 e ainda foi eleita deputada estadual em 1998. Participou do processo de redemocratização do Brasil durante a Assembleia Nacional Constituinte, que originou a Constituição de 1988, e também votou pelo impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello em 1992.

Nove dias depois, em 17 de maio, faleceu o marido dela, o ex-governador da Paraíba e ex-prefeito de João Pessoa Wilson Braga, aos 88 anos, também vítima da Covid-19. Além de político, ele foi advogado, empresário e escritor. Ao longo de sua trajetória, teve passagem pelos partidos Arena, PDS, PFL, PSDB, PMDB, PSB, PDT e PSD.

Dinaldo foi prefeito de Patos e deputado estadual (Foto: Divulgação/Prefeitura de Patos)

O ex-prefeito de Patos e ex-deputado estadual Dinaldo Medeiros Wanderley faleceu no dia 24 de maio, em João Pessoa, aos 69 anos, vítima do novo coronavírus. Além da atuação na política, ele era advogado, economista, empresário e ex-futebolista. Filho do tabelião Dinamérico Wanderley de Sousa e da professora Haydée Medeiros Wanderley, foi prefeito de Patos por dois mandatos consecutivos, de 1997 a 2004, e deputado estadual.

Zenóbio teve ampla trajetória política na Paraíba (Foto: Divulgação)

O prefeito de Guarabira e ex-deputado estadual Zenóbio Toscano faleceu aos 74 anos, em João Pessoa, no dia 14 de junho, vítima de um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico. Nascido em 4 de setembro de 1945, no município de Ingá, na Paraíba, era formado em engenharia e casado com a ex-deputada estadual Léa Toscano, com quem teve quatro filhos. Exerceu cinco mandatos consecutivos como parlamentar na Assembleia Legislativa da Paraíba.

Adelson Barbosa (Foto: Reprodução/Youtube/TV Assembleia)

O jornalista Adelson Barbosa dos Santos Filho faleceu no dia 27 de junho, aos 57 anos. Referência no jornalismo político paraibano, fez parte dos quadros do Jornal Correio da Paraíba por mais de 20 anos, foi correspondente do jornal Folha de São Paulo e da Revista Piauí. Era natural de João Pessoa, mas dizia que era ‘filho de Patos’. Muito curioso, adorava estudar, ler, tinha uma paixão especial pela história da Paraíba, além da política.

Eduardo Araújo em entrevista à TV Correio (Foto: Reprodução)

O gerente executivo do São Paulo Crystal Futebol Clube, Eduardo Araújo, morreu no dia 28 de junho, em João Pessoa. Ele também era advogado e colunista do jornal A União, já tinha sido diretor do Auto Esporte e do Internacional-PB e, nas eleições de 2018, concorreu à presidência da Federação Paraibana de Futebol (FPF). Foi após a derrota para a atual gestora, Michelle Ramalho, que ele ingressou no São Paulo Crystal, clube de Cruz do Espírito Santo. Em 2019, conseguiu levar o clube ao grupo de elite do Campeonato Paraibano.

Dona Dida foi prefeita e deputada (Foto: Reprodução/ALPB)

A ex-deputada estadual e ex-prefeita do município de Itabaiana, Eurídice Moreira, mais conhecida como Dona Dida, faleceu aos 82 anos, no dia 1º de julho, vítima do novo coronavírus. Ela era professora e natural de Maceió (AL). Chegou a ser prefeita de Itabaiana por dois mandatos e também ocupou uma das 36 cadeiras da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) por um mandato.

Deda Ribeiro (Foto: Divulgação/Câmara de Alagoa Grande)

O vereador de Alagoa Grande (PB), José Ribeiro Agra Filho (PR), morreu, aos 56 anos, no dia 2 de julho, vítima da Covid-19. Ele estava internado em João Pessoa. Deda Ribeiro, como era conhecido popularmente, foi vereador por três mandatos (2005 a 2008, 2013 a 2016 e 2017 a 2020), chegando ao cargo de presidente no biênio 2013/2014. Ele também exerceu atividades de direção, nos cargos de chefe de gabinete da presidência e de tesoureiro, e, após 1998, passou a integrar o quadro efetivo como agente administrativo (concursado).

Inaudete Amorim marcou época no rádio e na música (Foto: Divulgação/Codecom PMCG)

A radialista e cantora Inaudete de Souza Amorim, de 61 anos, faleceu no dia 14 de julho, em Campina Grande, vítima de agravamento de sequelas de um tratamento contra câncer. Ela trabalhou na Rádio Campina Grande FM, Serra Branca FM, na Rádio Cariri, e, ultimamente, atuava como diretora comercial da TV Itararé. Também tinha estreita ligação com a música e a cultura da cidade, sendo uma presença constante nas edições do Maior São João do Mundo.

Prefeito Manoel Batista faleceu aos 64 anos (Foto: Divulgação/Famup)

O prefeito da cidade de Ingá, Manoel Batista Chaves Filho, mais conhecido como Manoel da Lenha, faleceu em Campina Grande, aos 64 anos, por complicações causadas pelo novo coronavírus. A confirmação da morte foi divulgada no dia 16 de julho. Ele foi eleito em 2012 e reeleito em 2016 pelo PSD, com 54,95% dos votos válidos em uma coligação formada pelo PRB, PP, PRP, PR, PSB, PSDC, DEM, PHS, REDE, PSC e PT do B.

Genival Matias tinha 53 anos (Foto: Divulgação/ALPB)

O deputado estadual e vice-presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Genival Matias, morreu no dia 19 de julho, em uma praia no estado de Pernambuco, após sofrer um mal súbito. Ele tinha 53 anos. Na ocasião, de acordo com a assessoria do parlamentar, ele passou mal durante um passeio de jet ski e caiu no mar. O deputado Felipe Leitão e o vereador eleito de João Pessoa Mikika Leitão acompanhavam Genival no passeio. Eles tentaram socorrê-lo logo após a queda no mar, mas o deputado já estava morto. Matias estava em seu terceiro mandato e ocupava a função presidente do Avante na Paraíba.

Pinto do Acordeon em show no São João de 2015 (Foto: Divulgação/Secom-JP)

O cantor e músico paraibano Francisco Ferreira Lima, mais conhecido como Pinto do Acordeon, morreu no dia 21 de julho, aos 72 anos. Natural de Conceição, no Sertão da Paraíba, o artista ficou conhecido por participar de apresentações com a trupe de Luiz Gonzaga. A carreira solo começou em 1976. Ele é autor e intérprete de várias canções que marcaram a cultura nordestina. Ele também foi vereador de João Pessoa, em mandato que durou de 1993 a 1997. Após o falecimento, Pinto do Acordeon foi homenageado em Brasília, no Palácio do Planalto. Na ocasião, foi entregue à família dele uma placa de homenagem pela contribuição ao fortalecimento e à valorização da música popular brasileira e da cultura nacional.

Maria das Neves do Egito ocupou diversas funções no Judiciário (Foto: Divulgação/TJPB)

A desembargadora Maria das Neves do Egito, carinhosamente conhecida por Nevita, faleceu aos 73 anos em João Pessoa, no dia 22 de julho, em decorrência de complicações renais. Natural de Macaparana (PE), fixou residência há muitos anos na Paraíba. Cursou Ciências Jurídicas e Sociais (curso de Direito) na UFPB até o ano de 1969, quando se formou. Tinha licenciatura plena em Direito e Legislação, Organização e Normas e Mercado, também pela UFPB, além de um curso de Suficiência em Educação Moral e Cívica. Foi a segunda desembargadora a tomar posse no Tribunal de Justiça da Paraíba e também a primeira magistrada convocada para integrar o Tribunal Pleno da Corte.

Ana Lúcia Freire Cantalice (Foto: Reprodução)

A pediatra e neonatalogista Ana Lúcia Freire Cantalice morreu, no dia 23 de julho, vítima de Covid-19. Ela trabalhava no Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (Isea) e na Fundação Assistencial da Paraíba (FAP), em Campina Grande, mas estava na Capital para tratamento de complicações da doença. Formada pela UFCG, ao logo da carreira trabalhou em diferentes unidades de referência no atendimento pediátrico. Em junho, foi responsável por coordenar uma campanha para confecção e distribuição de Equipamentos de Proteção Individual aos profissionais de Campina Grande.

Manelito Vilar (Foto: Divulgação)

O engenheiro civil, agropecuarista e professor aposentado da UFPB Manoel Dantas Vilar Filho, conhecido como Manelito, morreu no dia 28 de julho, em Campina Grande. Ele tinha 83 anos e não resistiu a complicações de uma cirurgia na vesícula. Ele era primo do escritor e dramaturgo Ariano Suassuna. Juntos, administraram a Fazenda Carnaúba, em Taperoá, referência nacional na criação de ovinos e caprinos e exemplo de produção pelo foco na preservação de aspectos sociais e culturais da região. Manelito Vilar também foi fundador da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa).

Marco Aurélio Barros (Foto: Reprodução/YouTube/CRM-PB)

O cardiologista Marco Aurélio Barros morreu aos 85 anos no dia 1º de agosto, em João Pessoa, vítima da Covid-19. Natural de Campina Grande, formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia, em 1958. Estagiou no Departamento de Cardiologia da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, em 1961, e no Instituto Nacional de Cardiologia do México, em 1962. Em 1964, iniciou suas atividades na UFPB como instrutor de ensino. Posteriormente foi nomeado professor assistente, professor adjunto e, em 1978, conquistou o título de professor livre docente, doutor em Medicina. Ao lado dos médicos Augusto de Almeida Filho e Lavoisier Feitosa, criou o Hospital Samaritano. Foi também presidente do Programa Internacional dos Companheiros das Américas Paraíba-Connecticut (EUA) e da Academia Paraibana de Medicina, no biênio de 1997 a 1999.

Humberto Lira (Foto: Acervo/Jornal Correio)

O jornalista Humberto Cosme de Lira faleceu em João Pessoa, aos 77 anos, no dia 31 de agosto, vítima de Covid-19. Natural de Água Branca, no Sertão, foi repórter do Jornal Correio da Paraíba por décadas. A primeira passagem dele pelo veículo foi de janeiro de 1984 a outubro de 1997. Lira retornou ao Correio em 1998 e permaneceu no quadro de repórteres do jornal até abril de 2015. Pioneiro no jornalismo policial da Paraíba e muito carismático, era chamado de ‘vovô’ por diversos colegas de trabalho.

Karina atuou em diversos segmentos da imprensa (Foto: Reprodução/Acervo pessoal)

A jornalista Karina Paula Araújo, de 48 anos, faleceu em Campina Grande, no dia 8 de setembro, em decorrência da Covid-19. Ela atuava na TV Borborema, mas também trabalhou no Jornal da Paraíba, foi professora da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e assessora do 4º Batalhão da Polícia Militar. Por muitos anos, dedicou-se ao relacionamento da 3ª Gerência Regional de Saúde com a imprensa da região de Campina Grande.

Márcio Nóbrega (Foto: Reprodução/Facebook)

O jornalista paraibano Márcio Nóbrega, de 40 anos, morreu no dia 18 de setembro, em um acidente de carro em trecho da estrada RN-089, no Rio Grande do Norte.  Ele estava com dois amigos no veículo, seguindo para a cidade de Jardim do Seridó (RN), mas perdeu o controle do automóvel e caiu em uma barragem. Os dois amigos conseguiram escapar com vida, mas o jornalista não resistiu e morreu no local. Nóbrega era chefe de gabinete da Prefeitura de Várzea, na região de Patos, no Sertão da Paraíba.

Armando Abílio (Foto: Gilson Nascimento/Câmara dos Deputados)

O ex-deputado e ex-vice-prefeito de Esperança, Armando Abílio, faleceu no dia 12 de outubro. Natural de Itaporanga, ele tinha 75 anos e foi vítima de um infarto. Era médico e iniciou a carreira política no início da década de 1980. Primeiro, foi eleito vice-prefeito de Esperança. Já nos anos 90, foi eleito deputado estadual e ocupou funções na Mesa Diretora. Em 1994, foi eleito deputado federal pela primeira vez. Foi reeleito em 1998, 2002 e 2006. Nas eleições de 2010, não conseguiu novo mandato, mas acabou retornando à Câmara dos Deputados em 2012, na condição de suplente. Além dos mandatos políticos, Armando Abílio foi diretor geral do Hospital de Esperança e secretário de Trabalho e Ação Social do Governo da Paraíba, entre 2003 e 2006, na gestão Cássio Cunha Lima.

Socorro Marques (Foto: Divulgação/ALPB)

A ex-deputada estadual e ex-prefeita de Vista Serrana Socorro Marques faleceu, aos 86 anos, no dia 11 de outubro. Ela estava internada em um hospital particular de João Pessoa, por conta do agravamento do estado de saúde em função de uma infecção causada após uma extração dentária. Ela também foi secretária adjunta de Acompanhamento e Ação Governamental; coordenadora do Fundo de Desenvolvimento do Estado da Paraíba na Superintendência de Obras do Plano de Desenvolvimento do Estado (Suplan); presidente da Comissão de Orçamento da Assembleia Legislativa (ALPB) e presidente da Fundação Desenvolvimento da Criança e do Adolescente (Fundac). Foi, ainda, pioneira na luta pela construção do Centro de Oncologia de Patos.

Tássio dos Anjos (Foto: Divulgação/CBW)

O lutador de wrestling (modalidade também conhecida como luta livre ou luta greco-romana) Tássio Felipe dos Anjos Lima foi assassinado após uma discussão no Centro de Lucena, Região Metropolitana de João Pessoa, no dia 17 de outubro. Ele foi atingido por uma facada no peito. Segundo a polícia, o suspeito de praticar o crime possui 31 anos de idade e foi preso por equipes do Núcleo de Repressão a Homicídios da 5ª Delegacia Seccional de Santa Rita. Tássio dos Anjos foi medalhista de prata na categoria até 80 kg do estilo greco-romano do Brasileiro Sênior, em 2014. Além de campeonatos de luta livre, Tássio disputou torneios de MMA na Região Nordeste.

Bosco Soldado (Foto: Reprodução/Divulgacand)

O vereador João Bosco dos Santos, do município de Bonito de Santa Fé, no Sertão da Paraíba, morreu no dia 3 de novembro, vítima de Covid-19. Ele tinha 60 anos e estava internado no Hospital Regional de Cajazeiras. Conhecido como Bosco Soldado, o parlamentar foi eleito pela primeira em 2016 e tentava se reeleger nas Eleições 2020.

Louro Santos (Foto: Divulgação)

O cantor e compositor Louro Santos morreu no dia 22 de novembro, vítima de Covid-19. Ele tinha 49 anos e estava internado na unidade de terapia intensiva (UTI) de um hospital em Pernambuco. O músico ganhou fama no Nordeste brasileiro após passagens pelas bandas Aveloz e Forró da Malagueta. Também fez muito sucesso ao lado do filho, Victor Santos. Entre as canções de maior sucesso do artista estão ‘Retrato’, ‘Virou minha cabeça’ e ‘Te encontrei’.

Nilson Carlos Fernandes (Foto: Reprodução/Instagram/Arquivo pessoal)

Nilson Carlos Fernandes, pai do vereador licenciado de João Pessoa e secretário de Desenvolvimento Humano da Paraíba, Tibério Limeira (PSB), morreu no dia 3 de dezembro, vítima de Covid-19. Ele estava internado no Complexo Hospitalar de Doenças Infectocontagiosas Clementino Fraga, na Capital, e não resistiu às complicações da doença. Nilson Fernandes tinha 64 anos e era assessor jurídico da Fundação Desenvolvimento da Criança e do Adolescente “Alice de Almeida” (Fundac).

Zé Calixto (Foto: Divulgação)

O compositor e músico paraibano Zé Calixto morreu, no dia 13 de dezembro, no Rio de Janeiro. O artista tinha 87 anos e foi vítima de complicações do Alzheimer. Nascido em 1933, em Campina Grande, começou a tocar sanfona aos oito anos e, aos 12, já se apresentava em bailes e festas da cidade. Em 1959, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde viveu pelas seis décadas seguintes. Conhecido como o ‘Rei dos Oito Baixos’, Calixto se apresentou com outros ícones nacionais, como Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro, e fez diversos shows no São João de Campina Grande.

  • Expedito Pereira

Foto: Reprodução/Instagram

O ex-prefeito de Bayeux Expedito Pereira foi assassinado a tiros na manhã de quarta-feira (9), em João Pessoa. O crime aconteceu às 9h13, na Avenida Sapé, no bairro de Manaíra. Imagens de câmeras de segurança mostram quando um homem se aproxima do ex-prefeito e dispara os tiros. O suspeito fugiu logo após o crime

O vereador eleito de Bayeux, na Grande João Pessoa, Ricardo Pereira (PV), mandou assassinar o tio, o ex-prefeito de Bayeux, Expedito Pereira, para ficar com dinheiro da vítima. A afirmação foi dada pela Polícia Civil, na quinta-feira (17), a partir das investigações que ainda estão em andamento.

Gláucio Lima (Foto: Divulgação/Rádio Tabajara)

O repórter Gláucio Lima, da Rádio Tabajara, morreu nesse no dia 19 de dezembro, aos 55 anos, em decorrência de complicações da Covid-19. Ele atuava na equipe de esportes da emissora e estava internado na UTI do Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires. Na rádio, Gláucio era o responsável pela cobertura diária do Botafogo-PB para as resenhas esportivas. Era atuante nas reportagens de campo, sempre levando todos os detalhes das partidas aos ouvintes e interagindo com comentaristas e narradores nos principais jogos.

Gitana Lira (Foto: Reprodução/Instagram)

A professora Gitana Maria Figueirêdo Lira, esposa do ex-senador Raimundo Lira, morreu aos 77 anos, no dia 22 de dezembro. Ela estava no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Internada por cerca de um mês, após se submeter a uma cirurgia no coração, não resistiu às complicações do pós-operatório. Gitana Lira era professora aposentada da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e filha do ex-prefeito de Campina Grande Bento Figueiredo. Estava casada com Raimundo Lira há mais de 50 anos. O casal teve quatro filhos.

  • Paulo de Tarso Pinto

Paulo de Tarso Pinto (Foto: Reprodução/TV Correio)

O jornalista e empresário Paulo de Tarso Filho morreu no dia 21 de dezembro, após sofrer um infarto. Natural de Boa Ventura, no Sertão paraibano, tinha rádio em Pernambuco e morava em João Pessoa. Como jornalista, atuou, entre outros veículos, nos jornais impressos O Momento e Correio da Paraíba. Foi presidente da Associação dos Filhos de Itaporanga (Asfita) e vice-presidente da Associação das Emissoras de Radiodifusão da Paraíba.

  • Balduíno Lélis

Balduíno Lélis (Foto: Reprodução/TV Correio)

O pesquisador Balduíno Lélis faleceu no dia 21 de dezembro, aos 88 anos, em Taperoá, após lutar contra um câncer. Autodidata, ganhou referência internacional pela vida dedicada à cultura, à arqueologia, paleontologia e preservação da memória do povo paraibano. Balduíno concluiu apenas o primário, virou filósofo e, sozinho, aprendeu a falar espanhol, francês, italiano e uma língua indígena. Foi professor nas Universidades Federais da Paraíba e do Ceará e na Universidade de Tóquio, no Japão. Fundou a Academia Paraibana de Cinema, criou a Universidade Leiga do Trabalho, fundou a Associação Brasileira de Geógrafos, a seccional paraibana da União Brasileira de Escritores, o Centro Brasileiro de Arqueologia e o Instituto Histórico e Geográfico do Cariri. Ainda atuou como ator em logas-metragens como ‘Menino de Engenho’, ‘O Auto da Compadecida’ e ‘O Sonho de Inacim’.

Fábio Fernandes (Foto: Reprodução/Facebook)

O ex-prefeito de Mamanguape, Fábio Fernandes, de 47 anos, morreu no dia 28 de dezembro, em decorrência da Covid-19. Ele estava internado em um hospital particular de João Pessoa. Fábio foi prefeito de Mamanguape por dois mandatos: entre 2001 e 2004, pelo MDB, e de 2005 a 2008, pelo PSDB. Em 2016, voltou a disputar o cargo de prefeito, mas não conseguiu se eleger. Em 2018, concorreu a uma cadeira na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), pelo MDB, mas também não conseguiu se eleger.

Azuir era médico radiologista (Foto: Reprodução/CRM-PB)

O médico radiologista Azuir Lessa morreu no dia 29 de dezembro, aos 95 anos, em decorrência de complicações da Covid-19. O Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) emitiu nota lamentando o falecimento. “Dr. Azuir Lessa foi um dos médicos homenageados pelo CRM-PB na Semana do Médico 2020, recebendo a Comenda Lucas – Médico de Homens e de Almas, por 65 anos de formação e dedicação à Medicina”, citou a nota.

José Reinaldo foi vítima da Covid-19 (Foto: Reprodução/Grande Loja Maçônica do Estado da Paraíba)

O Grão-Mestre José Reinaldo Camilo de Souza, líder da Grande Loja Maçônica do Estado da Paraíba, faleceu no dia 29 de dezembro, aos 72 anos, vítima da Covid-19. De acordo com nota oficial assinada pelo Grão-Mestre Adjunto, Ailton Elisiário de Souza, a instituição decretou luto oficial de 21 dias e suspensão dos trabalhos por nove dias devido à morte do dirigente.

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.